11.7.09

não faço poesias

escrevo minha vida
meus ares
minha sede
e minha des-razão

solto trechos em momentos
que não são parte
nem todo
só momentos..

sou este que não se define
e o que você vê
é o que sou
é o que não sou

3 comentários:

Christiane Forcinito Ashlay Silva de Oliveira disse...

Amigo

Somos a arte
Ou vivemos a arte ?

A vida imita a arte
Ou a arte imita a vida?

Não importa... Tresvalorar sempre... Viver sempre... Se cair, levantar e continuar...

Adoro suas poesias! É pura "ânima"!

Chris :)

Márcio B. S. disse...

Na verdade...

A arte imita a vida
E a vida imita a arte
O homem foi à Marte
E trouxe sua parte
Mas qual não foi a sorte
Do homem que foi forte
E teve só o enfarte?
A vida lhe fez arte

Dessa forma...

O sangue de onde brota a arte
Que jorra sonhos e sentimentos
Aplaca a insaciável sede
A sede de auto-conhecimento

Sangue magnífico este
Coagula formando esplendor
Este é o sangue artístico
Que mostra a beleza e a dor

Quem beber dessa essência humana
Terá a alma reabastecida
Pois a arte atravessa os séculos
E no tempo é jamais esquecida

bruno nobru disse...

Christiane, obrigado por suas palavras..
acho que esta intrinseco a arte e a vida, o que parece a estragar sao os conceitos e as formataçoes previas de como se fazer arte ou de como se fazer vida..
ha que trans-trocar valores para nao se cair no abismo e no que a vida cotidiana nos corroi..

Marcio, tenho dias meio Marte, perplexo, vermelho, deserto, como na musica do objeto amarelo,
gostei das reflexoes de seus trechos, a arte fica na memoria, por vezes mais que a vida.. aproveito e recordo um trecho de uns tempos atras e que virou musica..

a arte
am plia
li-mi-tes
des plia
pli mites
-
com arte
arteia
an teria
anarca materia
...concentra.

para
pensa
respira revira
pensa compensa
sem pensa
sentença
se tenta

se tenta se faz
cria
musica
pinta
asto

sem com
poes ia
quem faria?
poderia?